idoso

Na nossa parashá lemos sobre uma pessoa do Povo de Israel que amaldiçoa D’us. Antes desta história, a Torá fala sobre o “lechem hapanim”, o pão semanal que era feito no Templo. Este pão ficava a semana inteira no Templo, e era renovado somente no Shabat, quando o velho era comido.

Por que a história do amaldiçoador vem justamente depois da descrição deste sacrifício?

Rashi explica que a pessoal que amaldiçoou D’us teve um problema de fé. Geralmente o pão é melhor fresco. Então por que o “lechem hapanim” era comido velho? Como não obteve resposta, desacreditou na Torá e consequentemente amaldiçoou D’us.

De qualquer maneira, a pergunta é pertinente.

Nos dias atuais o jovem, moderno, tem uma valorização maior do que o antigo. Até o ponto das pessoas terem vergonha do que possue mais ideda e tentar, a qualquer custo, esconder a passagem natural do tempo.

No sacrifício de “lechem hapanim” a Torá nos mostra que a experiência, a vivência que ganhamos durante nossos anos possuem um valor inestimável,as vezes superando a juventude e a busca do novo.

Ao deixar de lado o idoso, o velho e sua experiência, também deixamos de lado a Torá e a valorização do que é milenar.

Shabat shalom

Rav Daniel Segal